Vem, cara, me retrate/Não é impossível/Eu não sou difícil de ler/Faça sua parte/Eu sou daqui eu não sou de Marte/Vem, cara, me repara/Não vê, tá na cara, sou porta-bandeira de mim/Só não se perca ao entrar/No meu infinito particular(...)"

.tags

. todas as tags

.Janeiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.les moines boudhistes- my spirit flies

.posts recentes

. ser supreendida!

. facebook...

. voltar aqui

. pontuação...

. cigarro tecnológico

. já tinha saudades...

. ó meu rico menino!

. como quero me sentir!

. perdi-me...e não me consi...

. há quanto tempo anda nest...

. uma forma de vêr!

. uma verdade!

. Não custa nada fazer, é s...

. origem vegetal ou orige a...

. As respostas de um amigo

Segunda-feira, 4 de Junho de 2007

As respostas de um amigo

Por diversas vezes pensei em colocar aqui as respostas que recebo de um amigo sobre as frases que por vezes coloco no meu nick do messenger, mas pelas mesmas vezes acabei sempre por não o fazer, hoje resolvi fazê-lo:

 

o meu nick -"os príncipes de sangue azul são bonitos e milionários" 

 

a resposta:

" Da côr do sangue, porquê o teor !!? Na beleza está a riqueza e nunca o inverso;
A ser príncipe num poema, que não rima pelo verso. Milionário! só se for, na
demanda do Amor!...    Beijinhos

Na desculpa que tem o egoismo

 

E se o espaço se deslocasse...E o tempo se desdobrasse...e pudéssemos falar cara a cara,
com as pessoas que fomos no passado,com as pessoas que somos! Em tempos de vida paralelos,
em mundos alternativos?!!  O que lhes diríamos,o que lhes perguntaríamos?
Os aspectos de nos própios são o caminho...a sobreviverem lentos; Por onde nunca enveredaram,
onde a imaginação e o medo são instrumentos, para salvar os mundos e para os destruir!
Onde morrer é um passo,para se ultrapassar a morte.
                                                                 Beijinhos

 

Hoje faz 9 anos que alguém me viu com outros olhos (a minha filha fazia 9 anos)

 

Por onde vens, Passado,
pelo vivido ou pelo sonhado?
Que parte de ti nos pertence,
a que se lembra ou a que se esquece?
Aonde fica essa memória de vida imensa!..
Que atravessa o presente e não esmorece;
Entre o que, se assim não fosse, o que seria?!
Neste senão todavia sobre si debruçado,
no enigma da ironia que sentia,
será ausência ou indiferença?
Num silêncio de palavras recém-chegado,
entre o que é escasso e um profundo gesto de vencer!
Onde o Espaço ocupa no lugar da melancolia,
uma vontade fugaz, um espanto de viver,
mais forte e mais capaz, que o encanto da poesia!..
 
P.S.- Não encontrei mais nenhuma outra maneira,
         de expressar o que senti quando li, nas palavras
         que escreves-te, aquilo que sentia...
         Desejo que a tua filha .........seja muito feliz,
         com os muitos parabéns presentes a cada ano,
         durante muitos anos;
         E tu e toda a tua família também,
         sempre mais intensa, mais próxima e mais além!..
Nenhuma palavra nenhuma lembrança
B! Da vezes que falamos, poucas,
foram aquelas que o meu consciente serviu o presente,
atrelado nas angústias para onde vão quase loucas!
Confesso não ter,tudo isso presente na minha mente.
Tenho o que vibra no gesto que entoa!
E a seguir o que achava, naquilo que cansa,
sou honesto, aventureiro da pureza, sou boa pessoa;
Com a rima de nenhuma palavra, e o poema de nenhuma esperança!...
Neste mediocre passe de dança que eu amava...
A dor acompanhar-me-á, guiada de não ter dito,
que estava assim tão inconsciente!!..
Nestas perguntas mortais e banais que esmagam o meu peito,
nesse rosto de sonho que esgrima desfeito,
nalgum sítio indevido, nesta amizade inespecifica:
No príncipio do verbo gostar,
no preciso modo, e no preciso estado!
Sempre naquilo que invado,
debruçado e sonhado de continuar a amar!...
Vindo de um mundo que corre dentro da pintura,
Eu sou Tempo, isto é espaço, e tu és pura!...

 

 

Quem tem medo não comete engano mas também nada faz!

 

Quem tem medo não comete engano, mas também não faz;
Atropela e foge do profano, nesse alívio do Espírito íncapaz...
Desvios, desacertos, desalinhos, de intensa presença!
Sabedoria que se desenrola em pergaminhos,
na fé, na entrega, na crença... Coisa que o passado não nos trás!...
Continuamos na esperança desta incerteza!
Incrédulos, mas estanques para alcançar no respeito:
Mais na nossa mão do que na nossa vontade,
essa coisa que vem em forma de dor;
Estares, ou seres, palavras ou frase:
Nesta dúvida dos seres que tem no amor,
abordar o problema de quem ama!...
Depois faço poema, e termino a desejar;
No louvor de quem emana!...
Porque da frase era apenas um lugar a ser:
E agora é apenas um meio deste que tenho
parar escrever:
Mas sou homem,lápis de côr, e desenho!
No engenho voraz, desse fantasma contínuo e sincero
Não com medo do engano, mas também inificaz!!!...
Mas também tanto faz;
A última frase há-de ser sempre o rosto da nossa vontade.

 

 

" L`Univers est-il fait pour l´Homme?

 

 

" Será que o universo é feito para o homem?
Escrevo a responder com agrado, a solidão que flui...
Torno a escrever para habitar um espaço de bem;
Gostava do cintilante e discreto ribeiro do que fui!!
Cada ser em cada mundo, fala do que invoca,
num espectro silencioso e de calma!
Ouso de coração dizer o que me sufoca,
e é talvez esse universo para um homem de fraca alma.
O univreso que prolongamos na demanda da alma...
É o universo que é para todos, e não para alguém.
Esta contínua vontade de ser..
Que desmaia sem saber.

 

 

Palavras nas três sementes a),b),c)

 

PALAVRAS...
a) Foi assim!
   Nunca saberemos como foi!!
   Sentir, semear, colher « assim »,
    neste mistério doce e natural que se eleva em mim...
 
b) As coisas vêem de um Tempo que está para além de si.
    Eis porque toda a coisa,espera de nós uma crença total
   no Tempo; Uma continuidade trémula que permita  dizer as horas a quem passa! Como se estivessemos a ocultar a ignorância,
que de si mesma fala no poema, acreditando que é possivel regressar, antes das coisas que gastamos sem sequer as ver...
O Tempo vacila como se existisse!
E em nós deixa a verdade de uns olhos doridos.
c) Esta mão que escreve, é presumivelmente a mão de alguém!   O poema regressa da palavra que escrevi!
Nesta escala do mapa que varia, quando me mexo, e não há ninguém... Porque não a solidão escrita do que vivi!
A pousar a flor na campa de um membro amputado,
neste corpo que ajusta a escrita á poesia;
As tais palavras que a mente me tem segregado!
Para que esta mão escrevesse o que vía!
E o poema espelhasse o que senti!!?
« E diga eu o que disser, não posso deixar de afirmar que estou aqui!... »   
E eis algumas respostas, hoje coloquei um nick novo, veremos se vai existir resposta

publicado por bruxabouga às 22:52

link do post | comentar | favorito
|

.porque sou de 67 - Brel

.é só carregar no play e pause na Mylene...

.mais sobre mim

.links

.contas

Search this website:

Powered by Apollofind.com

.as minhas fotos

.arquivos

. Janeiro 2010

. Julho 2009

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.pesquisar

 

blogs SAPO

.subscrever feeds